quarta-feira, 20 de abril de 2016

Dá-me a tua mão

Dá-me a tua mão como um abraço,
Porque o instante de tempo que temos perder-se-á,
Enquanto a terra gira e o sol adormece.

Um instante que implode ao longo dos anos,
Que condensa o tempo, que une os fragmentos e nos dá vida.

Dá-me a tua mão como um sussurro de despedida,
Que sinto e seguro até que se torne em silêncio.